Homilia de Dom Messias dos Reis Silveira


dsc_0116

Leia na integra a homilia de Dom Messias dos Reis Silveira, durante missa do Reconhecimento Diocesano da Comunidade Coração Fiel: 

A beleza não precisa de explicação. Ela é para ser contemplada. Uma obra de arte pede de quem a vê que tenha um olhar artístico que o introduza no mistério da contemplação e quanto mais se contempla mais encantado fica. Essa celebração tem a sua beleza natural. Ela fala por si mesma. Há uma mensagem em cada gesto, atitude, semblante e pessoa que a aqui se faz presente ou está em sintonia conosco. Desde o início da celebração até sua conclusão seremos tocados pela beleza que emana deste mistério que estamos celebrando.

Desejo depositar uma mensagem ainda que breve no coração de cada um que se une aos membros da Comunidade Coração Fiel neste momento tão singular de suas vidas.

Quando iniciei meu ministério episcopal nesta nossa Diocese de Uruaçu, há quase cinco anos, a Comunidade Coração Fiel estava no seu início de vida e já parecia grande. Tinha pouco menos dois anos de existência, mas o entusiasmo de seus membros era enorme. Dificuldades existiam, mas prosseguia com a graça de Deus. Eu senti que muitas vezes o Pe. Delton e seus filhos missionários queriam ouvir de mim uma palavra sobre a Comunidade, talvez confirmando-a. Eu apoiava muitas vezes no silêncio. Bispo não pode pensar alto. Bispo não pode dizer algo que ainda não está no momento certo para dizer, pois quando pronuncia já parece estar oficializando. Com minha prudência mineira eu aguardava o momento certo.

Existe um tempo para tudo diz o livro do Eclesiastes

” Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;

Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;

Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;

Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;

Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;

Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;

Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz” (Ecle 3,1-8).

A Comunidade fez um pouco de história. Chegou o tempo de dizer a palavra que tanto queriam ouvir. Hoje estou aqui na qualidade de Bispo Diocesano, primeiro responsável por esta Igreja particular, Diocese de Uruaçu, Pastor responsável por todas as atividades religiosas que se desenvolvem neste território. Estou aqui depois de ter conhecido a Comunidade. Depois de ouvir o Conselho de Presbíteros eu trago hoje a minha palavra expressa em um documento que dentro em breve se tornará público.

Venho dizer que a Comunidade Coração Fiel que hoje reconhecemos como Associação Privada de Fiéis é de inspiração divina. Nasceu em nossa Diocese com o apoio de meu predecessor, Dom José Chaves. Tem feito bem à Igreja. Tem sido uma bênção em nossa Diocese e sendo Obra de Deus Ele mesmo vai ajudá-la a chegar onde Ele deseja que ela chegue. A nossa alegria é grande por saber que tudo começou aqui nesta diocese. Deus falou ao coração do Pe. Delton e dos co-fundadores e eles deixaram que o Espírito de Deus os conduzisse. Nestes 55 anos de instalação de nossa Diocese de Uruaçu temos hoje a satisfação de oficializar o reconhecimento diocesano da Comunidade Coração Fiel.

A data foi escolhida devido à devoção e o significado de São João Bosco na vida dos missionários. São João Bosco passou por muitas dificuldades. Não esmoreceu. Preocupou-se com a formação especialmente da juventude. Formação não só profissional, mas nos valores humanos, éticos e cristãos.  Ele foi um grande evangelizador. Desejo que os missionários busquem sempre uma genuína formação para ajudar as pessoas a serem melhores, sendo mais de Deus, tendo a alegria de viver o mistério da vida.

No Evangelho que ouvimos percebemos o desejo de uma mulher de ser curada. Uma força saiu dele e a libertou do mal que a atormentava. Não força própria, ela vem de Jesus. A Igreja precisa de muitas pessoas para que hoje favoreçam o encontro com Cristo. Os missionários têm essa especial missão.  Jesus foi até à casa de Jairo, um chefe da Sinagoga que tinha uma filha muito enferma. A notícia chegada era que a menina havia morrido. Jesus entrando na casa tomou a menina morta pela mão e disse: “Talitá Cum” menina, levanta-te. A menina levantou-se e começou a andar. A comunidade Coração Fiel que muitas vezes viu sua esperança de ser reconhecida meio sem rumo, sem perspectiva e certamente vez por outra vinha aquele sentimento de estar perdendo a vida, sente hoje a mão de Deus segurando em suas mãos. Hoje eu representando a mão de Deus, porque a mão do Bispo representa a mão de Deus estendida sobre o povo, mão agindo no meio do povo. Hoje eu representando esta mão Divina, seguro nas mãos desta menina de quase sete anos e digo: levanta-te e continue a andar. Deus segura nas mãos da comunidade, a põe de pé para andar.

Como missionários que são não deixem de andar. Nas andanças de vocês levem mensagem de Jesus que veio para que todos tenham vida e a tenham em abundância.

Sei que vocês cultivam a espiritualidade da cruz e da misericórdia. Não dá para ser cristão sem cruz. Querer viver sem cruz é distanciar de Jesus. 

A misericórdia é bem expressa na imagem daquele coração que mesmo sendo rasgado pela lança não deixa de amar e oferece salvação. Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia. A pessoa misericordiosa ama, perdoa e recebe a misericórdia divina.

Levanta e anda porque um coração fiel não para, vai atrás da ovelha mesmo que ela lhe dê coice, ou trabalho. Coração fiel é coração que ama muito porque vive na escola de Jesus que ensina amar a ponto de dar a vida.

Vocês não são pessoas sem identidade. São reconhecidos pela Diocese de Uruaçu e reconhecidos pelo que são: Coração Fiel, amparados pelas mãos de Deus que os põe de pé para chegar onde o missionário precisa chegar. Através dos meios de comunicação vocês encontraram o jeito de vazar as paredes, furar o teto, encontrar as pessoas para falar só o que é bom para a vida. Anunciar Cristo. Na fidelidade permitam que seus corações pulsem em sintonia com o Coração de Jesus e naturalmente com o Coração da Igreja.  Amém.

Dom Messias dos Reis Silveira

Bispo da Diocese de Uruaçu, GO.