Francisco: evangelizar não é fazer propaganda

Pope FrancisEm sua homilia, Francisco se inspirou na primeira leitura, extraída dos Atos dos Apóstolos, a partir desta afirmação de Pedro e João: “Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos”.

Falar com franqueza, com temor

O Pontífice recordou que Pedro e João, depois de realizarem um milagre, foram presos e ameaçados pelos sacerdotes para que não falassem mais em nome de Jesus. Mas eles não se amedrontam, e quando voltam junto dos seus irmãos, os encorajam a proclamar a Palavra de Deus “com franqueza”. E, pedem ao Senhor que considere as ameaças recebidas e conceda a seus servos anunciar a palavra com intrepidez :

“Também hoje a mensagem da Igreja é a mensagem do caminho da franqueza, do caminho da coragem cristã. Esses dois discípulos simples e iletrados – como diz a Bíblia – foram intrépidos. Uma palavra que se pode traduzir com ‘coragem’, ‘franqueza’, ‘liberdade de falar’, ‘não ter medo de dizer as coisas’ … É uma palavra que tem muitos significados no original. A parresìa, aquela franqueza … E do temor passaram à ‘franqueza’, a dizer as coisas com liberdade”.

Francisco comentou a seguir o trecho do Evangelho do dia, que narra o diálogo “um pouco misterioso entre Jesus e Nicodemos”, sobre “o segundo nascimento”, sobre ter uma nova vida diferente da primeira.

Anunciar Cristo sem fazer propaganda

O Papa sublinha que também nesta narração “neste itinerário da franqueza”, o “verdadeiro protagonista” é “o Espírito Santo”, “porque Ele é o único capaz de nos dar a graça da coragem de anunciar o Cristo”:

“Esta coragem do anúncio é o que nos distingue do simples proselitismo. Nós não fazemos publicidade, diz Jesus Cristo, para ter mais ‘sócios’ na nossa ‘sociedade espiritual’, não? Isso não serve. Não serve, não é cristão. Aquilo que o cristão faz é anunciar com coragem, e o anúncio de Jesus Cristo provoca, por meio do Espírito Santo, aquela surpresa que nos faz seguir em frente”.

O verdadeiro protagonista disso tudo, considerou novamente o Papa, é o Espírito Santo. Quando Jesus fala em “nascer de novo”, disse, nos faz entender que é o “Espírito que nos muda, que vem de todos os quadrantes, como o vento: sentimos a sua voz”. E, prosseguiu: “somente o Espírito é capaz de mudar a nossa atitude, comportamento”, de “mudar a história da nossa vida, mudar a nossa pertença”.

A coragem, graça do Espírito Santo

É o Espírito, continuou, “que dá esta força e estes homens simples e sem instrução”, como Pedro e João, “esta força de anunciar Jesus Cristo até o testemunho final: o martírio”:

“A estrada da coragem cristã é uma graça que o Espírito Santo doa. Existem tantas estradas que podemos percorrer, e que também nos dão uma certa coragem. ‘Vejam que corajoso, que decisão tomou! E veja este, como realizou bem um plano, organizou as coisas, muito bem’: isso ajuda, mas é instrumento de uma coisa maior: o Espírito. Se não há o Espírito, podemos fazer tantas coisas, muito trabalho, mas não serve a nada”.

A Igreja, conclui o Papa, depois da Páscoa “nos prepara para receber o Espírito Santo”. Para isso, a sua exortação final, agora, “na celebração do mistério da morte e da Ressurreição de Cristo, é para que possamos recordar toda a História da Salvação” e “pedir a graça de receber o Espírito para que nos dê a verdadeira coragem para anunciar Jesus Cristo”. (BF/RB)

Fonte: http://www.news.va/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *