Multidão acolhe Francisco no Sri Lanka

7O Papa Francisco já está no Sri Lanka, sétima viagem internacional de seu pontificado. O avião papal pousou às 8h50h (hora local, 1h20 no horário de Brasília) desta terça-feira, 13, depois de 9h40 de voo.

Uma multidão de fiéis católicos receberam o Papa. Pessoas de religiões diversas – budistas, hinduístas e muçulmanos – também deram as boas vindas ao Sucessor de Pedro.

As ruas enfeitadas com bandeiras do Vaticano e do Sri Lanka chamam a atenção junto com a expressão em cingalês “ayobowan” e em tâmil “wanakkam” , bem-vindo Santo Padre.

Ao descer as escadas do avião, o Papa recebeu de duas crianças 72 folhas de “Beetle”, uma espécie de folha que se mastiga com o tabaco (uma tradição de boas-vindas) e o tradicional “garland”, um colar de flores com as cores branca e amarela. Em seguida, recebeu as boas-vindas do presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, que tomou posse do governo dias atrás após a vitória nas eleições de 8 de janeiro.

Boas-vindas

Cantos e danças tradicionais acolheram o Papa, junto com um elefante, uma tradição do Sri Lanka para dar as boas-vindas e desejar boa sorte. Na sequência, as honras militares e o o coral de crianças da periferia de Colombo que cantou para Francisco dando as boas-vindas em inglês, italiano, cingalês e tâmil. No canto, pediram a bênção do Santo Padre e a paz para o país.

Em suas primeiras palavras em terras cingalesas, Francisco disse que sua visita tem um caráter antes de tudo pastoral, porque o Pontífice deve encorajar os católicos do Sri Lanka e rezar com eles.

O momento central da viagem será a canonização do Beato José Vaz. Mas a sua presença também é a expressão do amor e da preocupação da Igreja por todo o povo.

O Santo Padre recordou os anos da guerra civil, a necessidade de curar as feridas e a consolidação da paz. E concluiu pedindo que os dias da sua visita sejam dias de amizade, diálogo e de solidariedade.

O Sri Lanka em dados

O Santo Padre chega a um país que ainda sofre as consequências da guerra civil de 1983-2009 entre a maioria cingalesa e a minoria tâmil, e que deixou mais de 100 mil mortos. Hoje está em andamento um processo de reconciliação nacional.

O Sri Lanka, país insular do Sul da Ásia, constituído pela ilha de Ceilão e por pequenas ilhas adjacentes, situa-se no Oceano Índico e ocupa uma área de cerca 65 mil km2.

A economia baseia-se no chá, têxteis e turismo. A agricultura contribui com cerca de 1/4 do PIB; contudo, o país não produz o suficiente para as suas necessidades. São produzidos cereais, algodão, borracha e chá.

A população é de cerca 20 milhões de habitantes. A civilização do Sri Lanka remonta ao século VI a. C. Os povos mais antigos da ilha são os tâmiles e os cingaleses. Os cingaleses constituem 83% dos habitantes do país, os tâmeis representam 9% e os mouros do Sri Lanka 8%. As principais religiões são o budismo (69%), o hinduísmo (16%), o islamismo (8%) e o cristianismo (8%). O tâmul (ou tâmil) e o cingalês são as línguas nacionais – embora o cingalês seja a oficial e o inglês uma língua também bastante falada.

Programação

Francisco se dirigiu diretamente para a sede da Nunciatura Apostólica cancelando o encontro previsto na Arquidiocese de Colombo com os 20 bispos do Sri Lanka. Os bispos tinha já se encontrado com o Papa no último mês de maio durante a visita “ad Limina” ao Vaticano.

Ainda hoje, os compromissos de Francisco o levam à residência do presidente Sirisena para uma visita de cortesia. No final da tarde o encontro inter-religioso no Centro de Congressos Bandaranaike, primeiro-ministro do país entre 1956 e 1957. O Centro foi uma doação da República Popular da China. Presentes vários expoentes religiosos do país com cerca mil representantes de suas comunidades, budistas, hinduístas, muçulmana e algumas confissões cristãs.

O Papa retorna depois à sede da Nunciatura Apostólica onde passa a noite.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *