Você nasceu para dar certo!

felizVisitando uma grande livraria em São Paulo me deparei com algo curioso. Na sessão de auto-ajuda havia mais gente do que na outras repartições do estabelecimento. A pergunta que eu me fiz, faço também a você: “O que é necessário para que o homem (a mulher) seja feliz?” Talvez a palavra mais comum seja: “o que é preciso para que eu me realize?”

Deus não criou o ser humano para ser infeliz. Nós nascemos para a felicidade. Nascemos para dar certo! A própria fecundação é o resultado de uma microscópica maratona co proporções olímpicas. O espermatozóide que fecundou o óvulo, fez com que eu fosse o que sou agora! Aquele espermatozóide foi um vencedor! Um destemido! Um aventureiro desbravador e incansável! Esses adjetivos todos são a minha (a tua) gênese biológica; são igualmente nosso destino existencial! Você nasceu para ser um vencedor! A fé católica chama isso tudo de: santidade. Deus nos salvou e chamou para a santidade (Timóteo 1,9). Tudo aquilo que é o contrário de quanto citei acima, pode ser resumido em consequência do pecado. Em outras palavras, o pecado gera a tristeza e a insatisfação pessoal. Escravo do pecado, o homem se torna um fracassado, covarde, desanimado. Nunca como agora se tornou tão urgente falar sobre a santidade. Você já pensou que o grande objetivo da tua vida precisa ser isso? Ser santo?!

O que é ser santo? Fazer milagres? Caminhar sobre as águas ou transformar pedras em pães? Seria talvez a capacidade de converter uma alma perdida já com o pé no inferno? Não! A santidade é fazer bem as coisas. Fazer bem cada coisa! Fazendo bem cada coisa, estaremos dando um toque de ‘extraordinário’ naquilo que é ordinário. Os santos não são aqueles que nunca erraram. Foram pessoas que decidiram aprender com os erros. Os santos são grandes pecadores que nunca desistiram de lutar. Normalmente o santo não percebe que é santo. Se você o pergunta, ele duvida completamente da própria santidade. Se sente longe. E por sentir-se longe, se dispõe a caminhar decididamente. O drama de se achar bem longe daquilo que se deveria ser não é um sinal negativo; pior seria nem se importar por não estar no patamar necessário e desejado para a realização plena da nossa humanidade. O santo se põe a caminho. Enquanto caminha, já está se santificando. O processo de santificação acontece enquanto lutamos para superar a nós mesmos. Não devemos nos desanimar diante de nossas dificuldades, limites e pecados. Deus é maior do que tudo. Todo santo tem um passado (por vezes um passado de dor e pecado também); mas todo pecador tem um futuro se souber olhar fixo nos olhos do Senhor Jesus! Medimos a santidade de uma pessoa através da capacidade que essa pessoa tem de tornar melhores (santificar) os outros!

Este texto quer ser um convite para você! Deixe-se embalar pelo sonho da santidade. Essa é a tua vocação. Ninguém pode ser feliz longe desse ideal de vida. Que a mansidão e a humildade do Coração de Jesus sejam modelo para teu coração. A pureza e docilidade do Imaculado Coração de Maria estimulem teu esforço para melhorar a escuta de Deus. A firmeza de caráter de São José te ajude a superar teus limites! A simplicidade de Terezinha de Jesus te dê olhos sensíveis para os sinais do amor de Deus por você. Que a resignação e obediência de Santa Faustina possam nortear teu futuro e tuas decisões. A alegria e persistência de Dom Bosco te façam uma pessoa mais positiva e entusiasmada. O exemplo do Beato João Paulo II te faça ir para águas mais profundas.

Se você estiver fazendo isso, saiba: Você não está sozinho! Eu, nossa comunidade e você estamos no mesmo caminho. Passo a passo. Na direção certa! Para dar certo! Para ser feliz de verdade!

Seu irmão,

 Pe. Delton Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *