Bispos iniciam trabalhos da Visita Ad Limina 2020

Os 15 bispos e os dois administradores diocesanos do regional Centro-Oeste da CNBB saíram de São Paulo, na sexta-feira, dia 7 de fevereiro num vôo da Alitália que pousou em Roma as 7 da manhã do sábado. Oficialmente, a Visita Ad Limina Apostolorum de 2020, teve início no dia 8 de fevereiro, com a chegada e a instalação do grupo na Domus Romana Sacerdotalis, que se localiza, à esquerda, no final de uma das últimas tranversais da Via della Concilazione, Via Transpontina, para quem sai da Praça de São Pedro em direção do Rio Tibre. Esse hotel, chamado também de Casa do Clero de Roma, foi criado por João Paulo II, em janeiro de 1999, com objetivo oferecer hospitalidade aos eclesiásticos que pertencem ao corpo diplomático da Santa Sé ou que servem na Cúria Romana.

Última reunião preparativa

Na Domus Sacerdotalis, os bispos realizaram ás 9h30 da manhã do domingo, 9 de fevereiro, a última reunião em preparação para todo o processo da visita aos dicastérios e ao Papa Francisco. Dom Waldemar Passini, bispo de Luziânia (GO), coordenou os trabalhos e tratou, naturalmente, dos últimos detalhes práticos de toda a movimentação que vai durar até o dia 18 de fevereiro. Como foi largamente divulgado, essa visita é obrigatória e prevista no Direito Canônico. Em seu Diretório, essa visita “por parte de todos os Bispos que presidem na caridade e no serviço às Igrejas particulares em todo o mundo, em comunhão com a Sé Apostólica tem um significado preciso, ou seja, o revigoramento da própria responsabilidade de sucessores dos Apóstolos e da comunhão hierárquica com o Sucessor de Pedro, e a referência na visita a Roma, ao túmulo dos Santos Pedro e Paulo, pastores e colunas da Igreja Romana”. O documento diretivo ainda sublinha que a visita “representa na realidade um momento central no exercício do ministério pastoral do Santo Padre. Em tal visita o Supremo Pastor recebe os Pastores das Igrejas particulares, trata com estes das questões concernentes ao seu ministério eclesial”.

Dom Waldemar ainda destacou o significado espiritual deste momento vivido pelo Regional Centro-Oeste. Os presentes à reunião puderam também indicar alguns assuntos ligados ao Clero, às questões de doutrina da fé e ao trabalho dos tribunais eclesiásticos a serem abordados nos departamentos do Vaticano que cuidam destas áreas.

Logo após a reunião, as 11h, o grupo participou de uma celebração da Eucaristia que foi presidida pelo bispo auxiliar de Anápolis (GO), dom Dilmo Franco.

Durante a homilia, ele fez alguns destaques importantes da liturgia. Inicialmente, esclareceu: “Sabemos que o Evangelho de hoje é uma continuação do Sermão da Montanha. Jesus diz: ‘vós sois sal da terra e luz do mundo’. Um jesuíta, Pe. Adroaldo Palaoro diz que, no tempo de Jesus, as pessoas pegavam blocos de sal para colocar nos fornos na hora de assar o pão porque o sal retinha o calor. Mas, depois da algumas fornadas, aquele sal já não tinha mais o poder de ‘segurar’ o calor e aí precisavam ser trocados. Esses blocos, então, eram jogados nas estradas para tapar buracos de enxurrada e é por isso que Jesus fala que não servirá para outra coisa a não ser ‘pisado pelos homens’”.

Dom Dilmo, continuou: “Nós sabemos que o sal, como dizem alguns cozinheiros, não dá o sabor para comida, mas ressalta o sabor de cada alimento. Uma pequena quantidade de sal é capaz de ressaltar o sabor de uma grande quantidade de comida. Nesse sentido, quando acolhemos o símbolo do sal que Jesus coloca, lembramos que no Livro dos Números (NM 18,19) vai falar de uma oferta de alimentos que é colocada diante do Senhor e que é jogado sal sobre ela simbolizando a perenidade daquela oferta. Isto pode depois ser feita uma leitura sobre a Eucaristia, mas o sal é a representação de uma aliança, de uma oferta perene. Então, quando Jesus diz ‘vós sois sal da terra’ e que se o sal perder sua capacidade de salgar, mas o sal não perde a sua capacidade de salgar, ele a tem dentro de si. Para nós também, nós temos sempre em nós essa graça de Deus dada pelo batismo, de salgar, ou seja, de dar sabor, de ressaltar o sabor. Mas, ao mesmo tempo não é somente oferecer, não é somente apresentar a oferta é se tornar oferta. Não é, simplesmente, oferecer o sacrifício, é se tornar também sacrifício”.

O bispo auxiliar de Anápolis, ex diretor do Seminário São João Maria Vianey, que foi ordenado no mês passado, dia 25 de janeiro, dom Dilmo lembrou ainda a Primeira Leitura da liturgia do Domingo: “a gente olha o que está dizendo o livro, pegando ali o aquilo que temos também nos conselhos evangélicos materiais, que é dar pão a quem fome, vestir o nu e acolher os peregrinos. Então, como ser luz? Justamente isso; através das ações. De maneira que o nosso culto nunca pode ser vazio ou simplesmente teórico, mas colocando como ser luz através das ações. Uma pequena quantidade de sal é capaz salgar, de dar sabor a muito alimento. Então, desta maneira, pequenas ações, mesmo que sejam isoladas elas têm o poder de iluminar muitas pessoas. Isso dá ao nosso coração uma certa paz de não perder a esperança no mundo como muitas pessoas estão perdendo a esperança de mudanças para um mundo melhor. As pequenas ações iluminam, necessariamente, porque a força de Deus se impõe”.

Pe. Francisco Agamenilton, Administrador Diocesano de Uruaçu (GO) e também o correspondente escolhido pelos bispos para informar os passos dados na visita finalizou: “Às 18h30 rezamos a oração da tarde e tivemos a adoração eucarística. Pelo fato de estarmos hospedados no mesmo local e tomarmos as refeições juntos, já se nota que o aspecto comunitário será algo muito forte nestes dias. Isto nos proporciona o reforço dos laços de fraternidade e caridade entre nós. Em tempos de polarizações e fragmentação social, este sinal de comunhão dos bispos é um sinal profético de que se pode viver de outro modo”.

Na segunda-feira, 10 de fevereiro, os bispos têm agenda cheia: missa na Basílica de Santa Maria Maior e, na parte da manhã ainda, visita a dois dicastérios: Congregação para o Clero e Congregação para a Doutrina da fé. Na parte da tarde, eles vão conhecer as novas estruturas da Secretaria de Comunicação da Santa Sé.

*****************

Entrevista

 Dom Dilmo Franco

O senhor foi ordenado recentemente, o bispo mais recente bispo ordenado do regional; apresentado à sua Igreja  Particular a apenas uma semana e já presidiu a missa oficial de abertura da Visita Ad Limina. Qual o sentimento que senhor experimentou?

O dom Waldemar, Presidente do Regional, durante a nossa primeira reunião que tivemos, disse que estamos todos juntos aqui como irmãos e que não era para momento de tensão para ninguém. Ele tinha que falar para o meu cérebro isso, parece que não entendi não… Claro, a gente fica nervoso, um pouco aquela ansiedade, pois afinal de contas são bispos que ouço desde quando era seminarista. E, de repente, meu Deus, o que vou falar para esses homens? Sabem tudo! Mas, sinto uma alegria grande, alegria grande de ser acolhido e de poder ajudar naquilo que Deus pedir de mim.

E quando a visita, daqui em diante, qual é a expectativa?

De aprendizado. Quero ver tudo. Quero escutar tudo porque sei que depois vai ser cobrado.

Muito obrigado!

Amém.

(O entrevistador foi Pe. Eduardo Rezende, secretário-executivo do Regional)

Fonte: cnbbco.com

95%

PROJETO JUNTO AO CORAÇÃO

95%

PROJETO JUNTO AO CORAÇÃO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *